Hidrelétrica de Paracambi, no Rio de Janeiro, é inaugurada

Realizada pela Construtora Quebec e pela Orteng Equipamentos e Sistemas, construção foi concluída em 30 meses

A cidade de Paracambi, no Rio de Janeiro, inaugurou no dia 31 de maio uma nova hidrelétrica, com capacidade de produção de 25 megawatts e abastecimento de 50 mil residências. A Pequena Central Hidrelétrica Paracambi (PCH) faz parte do Complexo de Lajes, formado pelas hidrelétricas de Fontes Novas, Nilo Peçanha e Pereira Passos. Além de Paracambi, a usina também atenderá as cidades de Itaguaí e Piraí.

A primeira etapa de execução da obra foi o barramento da margem direita do Rio Ribeirão das Lajes. Esta etapa foi concluída em terreno seco, já que a curvatura do rio fez com que não fosse necessária a interferência em seu leito. A terraplanagem removeu todo o solo até chegar à camada de rochas a 12 metros de profundidade.

Depois de alguns testes de qualidade da rocha e reforço das mesmas com injeção de cimento, foi construída a barragem da margem direita e as estruturas de concreto de 29 metros de altura: tomada d’água de quatro vãos, responsável pela captação de água; dois vertedouros da barragem, que escoam a vazão não turbinada do rio, além de casas de força. Para a execução dos pilares do vertedouro, foi usado o sistema de fôrmas deslizantes.

Ao final desta etapa, foi iniciado o desvio de 200 metros do rio pelos dois vãos dos vertedouros, possibilitando a construção da barragem da margem esquerda. Para o desvio, foi primeiramente removido um septo de jusante (lado do curso de água em direção à foz). A água começou a penetrar neste terreno, formando um canal. O septo de montante (lado do curso da água em direção à nascente) foi então removido, fazendo com que água passasse pelo leito natural do rio e pelos vãos do vertedouro.

A terceira fase da obra envolveu o lançamento de duas ensecadeiras – pequenas barragens provisórias de rocha, que desviam o rio para secar a região de implantação da estrutura. Mesmo depois de lançar a rocha no rio, um pouco de água continua passando e assim, para concluir a vedação, foi lançado argila sobre a rocha. Essas barragens de rocha e argila também possuem areia, funcionando como um filtro que retém a água.

Na quarta e última fase, foram construídas duas ogivas de concreto nos vão do vertedouro, além da montagem das comportas da estrutura e o desvio completo do rio. Para que isso acontecesse, os vãos do vertedouro foram fechados, sem comprometer a vazão mínima do rio, de 120 m³/s.

Completado o desvio, foram montados os equipamentos, como comportas do vertedouro, turbinas hidráulicas e geradores de energia. Também foi realizado o reflorestamento das áreas degradadas na região do lago da barragem.

A construção da hidrelétrica foi feita pelo Consórcio Construtor de Paracambi (CCPPA), formado pela Construtora Quebec e pela Orteng Equipamentos e Sistemas Ltda. As obras tiveram início em novembro de 2009, levando dois anos e seis meses para ficar pronta. O investimento total foi de R$ 220 milhões.

Conheça as estruturas da Pequena Central Hidrelétrica de Paracambi

Qual o tipo de concreto usado na execução da estrutura do vertedouro?
Quanto à composição, usamos cimento portland CPIII – 40 RS, água, areia e agregado graúdo. Quanto à classe, foi usado o concreto B sendo o diâmetro máximo do agregado menor ou igual a 19 mm. O critério de aceitação do concreto classe B foi determinado pelas normas NBR 12655 e NBR 6118. Este concreto estrutural foi usado para lajes, vigas, colunas, pilares e paredes do vertedouro com resistência característica 20 MPa com fator água cimento igual a 0,55. O controle da consistência do concreto foi estabelecido através de ensaios de abatimento do tronco de cone, NBR 7223.

E qual o tipo de concreto hidráulico usado no vertedouro?
O concreto foi composto de cimento Portland CP III – 40 RS, água, areia e agregado graúdo. Usamos o Classe A com diâmetro máximo do agregado menor ou igual a 19 mm; local de aplicação em estruturas hidráulicas sujeitas a velocidade de água maior ou igual a 4m/s e menor que 12m/s; resistência característica 25 MPa com fator água cimento igual a 0,55. Para o acabamento, foi adotado o F3 aplicado às superfícies em que o alinhamento exato e a irregularidade são primordiais do ponto de vista de eliminação de efeitos destrutivos da água corrente. O controle da consistência do concreto foi estabelecido através de ensaios de abatimento do tronco de cone, NBR 7223. E o critério de aceitação do concreto classe A foi conforme estabelecido na NBR 12655 e NBR 6118.

Qual o tipo de concreto usado na protensão da viga munhão?
A composição da calda de cimento usada foi cimento Portland CP V – ARI Fácil, água, areia, sendo a classe P. O local de aplicação em elementos protendidos da viga munhão; resistência característica 30 MPa com fator água cimento igual a 0,42. Para aceitação da calda de cimento foram usadas como parâmetro a NBR 14931, NBR 6118, NBR 7681 e procedimento específico da EP.

Quais os sistemas construtivos adotados na execução dos pilares do vertedouro?
O sistema construtivo adotado na execução dos pilares do vertedouro foram fôrmas deslizantes.

Qual foi o método de fundação?
Os trechos das estruturas estão apoiados em rochas cujas superfícies foram escavadas e regularizadas com concreto de regularização e estrutural até a elevação da fundação. Os limites das escavações para apoio das estruturas foram definidos topograficamente, conforme especificação do projeto. Em função da inspeção geológica sobre a superfície escavada, os locais com remoção de material além dos limites indicados nos desenhos foram tratados e mapeados conforme sistemática e critérios técnicos de riscos geológicos, geotécnicos e hidrológicos. As fundações para as estruturas de concreto receberam preparos e tratamentos. As faces, taludes e fundos de cortes foram mantidos isentos de materiais soltos e instáveis; as infiltrações dentro da área escavada foram controladas apropriadamente, por meio de poços, valas, drenos de brita, areia e injeção de calda de cimento; as saliências na superfície da fundação em rocha foram removidas, utilizando métodos adequados; as cavidades das rochas preenchidas com solo foram limpas com jateamento de ar e água e preenchidas com concreto, argamassa e calda; após limpeza, controle de qualidade e mapeamento da área, foi liberado o início da concretagem. As concretagens das estruturas foram precedidas por inspeção, mapeamento das fundações e tratamentos.

Os vertedouros levam quantas comportas e de quais tipos?
Os vertedouros têm dois vãos e duas comportas de segmento.

Quais as soluções técnicas adotadas na fundação da estrutura de concreto do barramento?
Usamos fogo de contorno a céu aberto, sendo que a técnica foi aplicada conforme indicação de desenhos específicos para obter uma superfície regular e não abalar a rocha remanescente. Também foram feitas escavações a céu aberto. Para isso, durante o desenvolvimento das escavações em rocha, foram realizados testes de medições sísmicas com o uso de explosivos para determinar a equação matemática do maciço rochoso e definidos limites de carga, esquemas de fogo e tipos de explosivos e acessórios. Os trechos das estruturas estão apoiados em rochas cujas superfícies foram escavadas e regularizadas com concreto de regularização e estrutural até a elevação da fundação. Os limites das escavações para apoio das estruturas foram definidos topograficamente, conforme especificação do projeto. Em função da inspeção geológica sobre a superfície escavada, os locais com remoção de material além dos limites indicados nos desenhos foram tratados e mapeados conforme sistemática e critérios técnicos de riscos geológicos, geotécnicos e hidrológicos. As fundações para as estruturas de concreto receberam preparos e tratamentos. Na tomada d’água foi executada a galeria de injeção e drenagem; as faces, taludes e fundos de cortes foram mantidos isentos de materiais soltos e instáveis; as infiltrações dentro da área escavada foram controladas apropriadamente, por meio de poços, valas, drenos de brita, areia e injeção de calda de cimento; as saliências na superfície da fundação em rocha foram removidas, utilizando métodos adequados; as cavidades das rochas preenchidas com solo foram limpas com jateamento de ar e água e preenchidas com concreto, argamassa e calda; as concretagens das estruturas foram precedidas por inspeção, mapeamento das fundações e tratamentos. Após limpeza, controle de qualidade e mapeamento da área, a concretagem foi liberada.

Fonte: http://www.piniweb.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s