Alvenaria Estrutural: uma solução econômica

Toda obra ou empreendimento deve passar por um estudo de viabilidade onde são confrontadas as expectativas para a obra e os recursos disponíveis para a sua execução. É aí nesta fase onde se estudam todas as possibilidades para a obra, incluindo o método construtivo, este é escolhido analisando aspectos como possibilidade de projeto e economia, por exemplo.

Os dois aspectos acima citados são os que caracterizam mais fortemente um método construtivo bastante difundido entre os construtores brasileiros: a alvenaria estrutural. Mas antes de abordarmos estes aspectos vamos apresentar brevemente este método construtivo.

Alvenaria estrutural, o que é?

A alvenaria estrutural resulta da colocação em arranjos específicos de peças industrializadas, de dimensões e peso de fácil manuseio, ligadas entre si através de juntas de assentamento ou juntas verticais de argamassa para formar os elementos de alvenaria que são as paredes, cintas, vigas, contravergas, vergas e pilares que juntos formam um conjunto monolítico.

Em alguns casos, armaduras podem ser incorporadas nas juntas de assentamentos ou no graute dentro dos furos dos blocos para realizar uma alvenaria armada, a qual apresenta maior resistência a determinadas solicitações.

Os blocos de alvenaria estrutural podem ser em concreto ou em cerâmica. Eles são sempre vazados na vertical, ou seja, não possuem fundo.  Na execução das paredes utiliza-se o meio-bloco para fazer as amarrações.

Todas as paredes são paginadas e a execução delas deve seguir rigorosamente o projeto de paginação principalmente nos encontros de paredes e cantos.

Diferenças entre o sistema convencional e a alvenaria estrutural

A principal diferença está na composição do sistema. Enquanto o sistema convencional (concreto armado) é composto pelo sistema laje, pilar e viga, o sistema da alvenaria estrutural é composto por laje e alvenaria somente. Enquanto que no método convencional as paredes tem função somente de vedação, na alvenaria armada é ela quem suporta toda a carga da construção conduzindo-a até as fundações.

Para que este aspecto seja permitido, o bloco do sistema de alvenaria estrutural tem uma geometria diferente, com as paredes mais espessas e formato próprio. Outra diferença é que enquanto o bloco de vedação é assentado com o furo perpendicular ao sentido de atuação das cargas o bloco estrutural é vazado no sentido de transmissão das cargas, sendo que nos pontos onde a solicitação de cargas é mais intensa pode ser feito um trecho de alvenaria estrutural armada, com a colocação de aço e o grauteamento do bloco de alvenaria.

Viabilidade econômica

Esse sistema construtivo, que utiliza a alvenaria estrutural com blocos de concreto, oferece solução eficaz testada em empreendimentos públicos e privados há mais de três décadas e que, ao longo desse tempo, evoluiu extraordinariamente. Hoje, grandes construtoras recorrem ao sistema construtivo de alvenaria estrutural com blocos de concreto para imprimir métodos produtivos industrializados, diminuir cronograma, garantir custos e qualidade.

O desenvolvimento técnico do sistema inclui completa normalização dos materiais (blocos), produzidos com garantia de resistência e uniformidade, por exemplo, e dos serviços envolvidos (projeto, construção da estrutura, execução de instalações e acabamento). A somatória desses elementos montou o alicerce para o enorme salto técnico-econômico no sistema construtivo de alvenaria estrutural com blocos de concreto.

Estudos realizados por especialistas em construção comprovam que a alvenaria estrutural com blocos de concreto permite reduzir o custo das obras em até 30% (em torres de até quatro pavimentos) e 15% (em torres com 20 pavimentos), com ganhos ambientais, por praticamente não gerar rejeitos de canteiro e quase não utilizar fôrmas e escoras de madeira.

Vantagens e desvantagens

Há aspectos positivos e negativos na alvenaria estrutural, eis alguns pontuados abaixo:

Pontos Positivos:

  • Técnica executiva simplificada;
  • Facilidade de treinamento de mão de obra;
  • Organização do processo de produção;
  • Menor diversidade de mão de obra na fase de estrutura (não é necessária equipe de carpintaria, armação);
  • Integração com os sistemas de instalações elétricas e hidrossanitárias;
  • Redução nas formas, no consumo de aço e de concreto.

Pontos Negativos:

  • Condiciona a arquitetura (devido à paginação de acordo com o tamanho dos blocos);
  • Restringe futuras mudanças e intervenções na edificação;
  • Inibe a mudança do uso dos edifícios (exemplo: de uso residencial para uso comercial).

A análise de todos os aspectos deve ser considerada na tomada de decisão sobre o método que será empregado. Analisando-se a fundo as fases de obra, o uso e também as condições econômicas e ambientais deve-se buscar fazer a escolha do melhor método construtivo a ser empregado.

Fontes:

Construção MercadoFórum da construçãoPedreirao.com.brufrgs.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s