Ciclovia flutuante coberta com placas solares será construída em Chicago

Está ficando mais fácil andar de bicicleta para trabalhar em Chicago. A cidade acrescentou 100 milhas de ciclovias novas nos últimos cinco anos e, em 2019, planeja adicionar mais 50 milhas de pistas de bicicleta “melhores”, incluindo pistas com calçadas para proteger pilotos de carros.

Agora, a cidade está começando a considerar ir mais longe, com uma série de ciclovias flutuantes, alimentadas por energia solar ao longo da borda do Rio Chicago, que corta as principais áreas da cidade.

Para a firma de arquitetura SecondShore, que propôs a idéia, é em parte uma maneira de fazer melhor uso do rio. O rio também passa pelos bairros densamente povoados para o centro, ao lado de algumas das ruas mais movimentadas da cidade, onde a maioria dos acidentes de bicicleta acontecem. James Chuck, co-fundador da SecondShore argumenta que mesmo pistas de bicicleta separadas não podem proteger completamente os pilotos, porque essas pistas terminam em cada interseção.

“Na realidade, 55% dos acidentes e fatalidades acontecem em cruzamentos, e você não pode criar uma pista dividida para motos em cruzamentos”, diz ele.

As ciclovias flutuantes, chamadas RiverRide, dariam aos ciclistas um lugar verdadeiramente livre de carro para fazer parte de seu trajeto e, em seguida, conectar-se com ciclovias existentes. O sistema preencheria lacunas na rede, criando em torno de um trecho de 17 milhas de ciclovias contínuas e conectando 28 bairros.

O projeto ainda conta com a instalação de placas solares, que podem gerar energia para aquecer o solo, evitando que a pista fique congelada durante o inverno.

Claro, tudo isso não seria barato: cada milha de caminho pode custar entre US$5 e US$10 milhões. Quando os arquitetos propuseram o Thames Deckway, um caminho de bicicleta flutuante em Londres, os críticos argumentaram que seria muito mais sensato investir em melhores infra-estrutura nas ruas. Afinal, vários estudos descobriram que andar de bicicleta fica mais seguro quanto mais ciclistas estão em uma rua ao mesmo tempo.

Mas Chuck acha que o caminho flutuante poderia convencer muitas mais pessoas a usar a bicicleta, pois 90% dos habitantes de Chicago não se sentem confortáveis em andar nela perto de carros.

“Digamos que 10% desse grupo de 90% decidiu, ‘Ei, eu amo o RiverRide, estou disposto a sair na minha moto agora’”, diz ele. “Nós duplicamos o número de pilotos na cidade.”

Ele também acha que a cidade precisa continuar a construir melhor infraestrutura nas ruas da cidade. “Isso tem que se integrar nesses sistemas”, diz ele.

O caminho, feito de concreto reforçado com aço, também poderia ser produzido localmente.

SecondShore espera executar um projeto piloto, talvez até o verão de 2017, no Chicago 33rd Ward, dando aos pilotos a chance de experimentar uma meia milha de uma iteração básica do caminho, e dar feedback aos designers sobre o sistema. A empresa está trabalhando agora para construir suporte para a idéia. Se tudo correr bem, eles começarão a instalar segmentos na primavera de 2018. O caminho final, com 6 a 8 milhas de pontões flutuantes, conectaria mais de 20 milhas de Chicago.

Se tudo correr conforme o planejado, principalmente em termos financeiros, já que cada milha (1,6 km) da ciclovia deve custar de cinco a dez milhões de dólares, a estrutura pode ser construída até 2018, com 13 quilômetros de extensão e conectando-se a outras vias da cidade.

Fonte:

Engenharia É

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s