Argamassa polimérica em bisnaga

O setor da construção civil está sempre investindo em novas tecnologias e em materiais de maior qualidade, principalmente aqueles que possam oferecer soluções mais viáveis para a sustentabilidade. Alguns produtos lançados recentemente no mercado simplificam as tarefas nos canteiros de obras, como é o caso da argamassa polimérica. Ela foi difundida no Brasil somente a partir de 2011. Hoje, é fabricada e comercializada por poucas empresas. Mas, mesmo assim, o material é bastante utilizado por engenheiros e arquitetos em todo país. Um exemplo do seu emprego são as arenas do Parque Olímpico 2016, no Rio de Janeiro.

+ Sobre a tecnologia

A argamassa do tipo polimérica, também conhecida como argamassa colante, é diferente da tradicional. Ambas servem para o assentamento de tijolos e blocos de alvenaria. Porém, a diferença é que ao invés de fazer grossas camadas entre as fiadas, o que também ajuda a regularizar possíveis defeitos de superfície, a polimérica proporciona uma melhor estética, muito mais limpa. É como se fosse argamassa e rejunte ao mesmo tempo, em um único produto. Infelizmente, isso impede a utilização de peças de qualquer tipo, irregulares.

+ Aplicação do produto

A argamassa polimérica é ideal para o assentamento de tijolos ecológicos, de blocos cerâmicos e de concreto; para alvenarias de vedação vertical, tanto interna quanto externa. Ou seja, esse produto não pode ser utilizado para erguer elementos estruturais, por exemplo. Em compensação, pode ser usado como revestimento de parede e de tetos, revestimento de azulejos e de pisos e, no geral, em outros pequenos reparos em reformas. Há exemplos disso em construções de pequeno ou grande porte, desde residências até prédios industriais e galpões.

A utilização dessa argamassa é bastante simples e prática, sendo que a própria embalagem já é o aplicador. Mas a principal inovação dessa técnica está, justamente, no estado em que o produto é comercializado, pastoso e dentro de bisnagas. É considerada ecológica porque não possui cimento e nem areia. Na composição estão cargas minerais inertes; resinas sintéticas, como polímeros; aditivos, como os espessantes e os impermeabilizantes; e agentes microbicidas, bactericidas.

Uma alvenaria contendo argamassa polimérica pode ser construída quatro vezes mais rápida do que uma estrutura comum, feita com argamassa tradicional – podendo uma única pessoa assentar até mil blocos por dia. As peças são posicionadas e pressionadas firmemente sobre dois filetes retos e contínuos de massa, com aproximadamente um centímetro de largura cada. Eles são feitos com a própria embalagem, com pistola ou equipamento pneumático. Isso garante o bom espalhamento da substância e a estabilidade da estrutura. Em quatro horas o conjunto já poderá estar firme. E o tempo de cura completo em vinte e quatro horas.

+ Características do material

Quando um produto apresenta boas características construtivas isso favorece o não aparecimento de patologias típicas e graves, que podem comprometer a alvenaria. No caso da argamassa polimérica, sua permeabilidade tem capacidade de absorção de 0,0 cm³. Já a sua resistência média característica à compressão é entre três e cinco mPa. Um dos fatores que muito contribui para isso é o fato de que a mistura não necessita de água, diminuindo em 95% o consumo de líquidos em uma obra.

O rendimento da bisnaga irá variar de acordo com a qualidade e o modelo dos blocos, assim como a experiência da mão de obra disponível. No geral, para erguer uma alvenaria precisa-se, em média, de 0,6m² por quilograma. Com blocos ecológicos pode-se fazer 2,5m² por bisnaga. Com blocos cerâmicos, 1,8m² a 2,0m² por bisnaga. E em concreto de 1,3m² a 1,5m² por bisnaga. Lembrando que cada embalagem vem com 3,0kg de massa, o que dá em torno de 2,0m² de alvenaria, um rendimento vinte vezes maior do que se consegue com a utilização da argamassa convencional.

Sobre a conservação da argamassa polimérica no canteiro de obras:

– É indicado abrir a embalagem apenas quando for utilizar o produto.

– A massa foi desenvolvida para ser consumida de imediato. Então, o recomendado é não guardar as sobras. Mesmo assim, sua validade pode chegar a um ano.

– Caso seja necessário fazer uma pausa na aplicação, basta fechar bem a bisnaga e guarda-la em local fresco, seco e coberto.

– Não se aconselha empilhar as embalagens.

– O material não é inflamável. Porém, suas propriedades podem ser alteradas se o mesmo ficar exposto a altas temperaturas.

 

+ Principais vantagens

A argamassa polimérica já vem pronta para o uso. Além de ser um produto de alta resistência à compressão e à tração, de grande desempenho e secagem rápida, tem aplicação mais prática do que a argamassa tradicional. Seu rendimento é superior, sem dúvidas. E ainda tem a questão do custo logístico. Não se precisam carrinhos de mão, betoneiras, energia elétrica e água. A obra fica mais limpa e organizada, o que reduz o tempo de construção. No total, pode-se obter até 40% de economia nos custos finais da obra.


Para mais orientações quanto a esse tipo de material, recomendamos uma consulta à ABNT NBR 16590, partes 1 e 2(8), sobre ‘Composto Polimérico para Assentamento de Alvenaria de Vedação’.


Fontes: WikipediaSelf ComércioBiomassa do BrasilCasa e ConstruçãoCorreta.

Anúncios

Um comentário sobre “Argamassa polimérica em bisnaga

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s