Alunos de engenharia desenvolvem tijolo a partir das cinzas do bagaço da cana-de-açúcar

A cana-de-açúcar está ligada à história do Brasil e faz parte da economia nacional. Diante da grande produção de cana-de-açúcar, os pesquisadores estão sempre buscando uma forma de aproveitar os resíduos e já mostraram que eles têm muitas aplicações. Recentemente, alguns alunos de engenharia desenvolveram um tijolo a partir das cinzas do bagaço da cana-de-açúcar.

tijolo-cinzas-cana-blog-da-engenharia-3.jpg

Continuar lendo

Anúncios

Novidade brasileira revoluciona o mercado de grauteamento

Engenheiros que trabalham com obras e construções sabem que é necessário um cuidado especial para os processos de calçamento e grauteamento (quando há a aplicação do graute, um micro concreto fluído utilizados nos espaços vazios entre blocos e canaletas).

É preciso conciliar produtos de qualidade com tecnologia inovadora a fim de garantir um bom resultado. Pensando nisso, a Shimtek, empresa voltada para soluções em resina e à base de poliuterano, desenvolveu o Shimfast® a partir de tecnologia e processos nacionais.

1

Continuar lendo

Você sabe qual é a vida útil de um edifício?

Você já se perguntou qual é a duração de um edifício? É estranho falar sobre a duração de uma construção quando colocamos, lado a lado, prédios que foram construídos séculos atrás e continuam de pé e os que foram construídos recentemente, mas já estão interditados. Isso ocorre porque a duração depende de vários fatores intrínsecos à construção e ao ambiente em que o edifício está.

tempo-dura-edificio-blog-da-engenharia-1.jpg

Continuar lendo

Já conhece o ORSE? Software de orçamento gratuito!

orse

O ORSE é um poderoso software para orçamento de obras totalmente gratuito, desenvolvido pela CEHOP – Companhia Estadual de Habitação e Obras Públicas de Sergipe. É um programa completo, dotado de características e funcionalidades encontradas nos softwares comerciais similares e algumas exclusivas. O seu banco de dados é composto por milhares de insumos e serviços, composições de preço unitário, devidamente categorizados, sendo atualizado mensalmente pela CEHOP. As atualizações podem ser baixadas através do próprio programa ou no site do ORSE. O programa conta com uma grande biblioteca de textos em PDF com especificações de serviços, com definição, método executivo, critérios de controle e critérios de medição e pagamento, sendo de muita utilidade para o profissional.

Outra característica que merece ser destacada é a sua capacidade de trabalho em rede, pouco encontrada em softwares comerciais similares. Após uma breve leitura no manual e na ajuda do ORSE, o usuário já estará apto a operá-lo sem maiores dificuldades, devido a sua interface organizada e intuitiva.

Instruções para download: Ao clicar em download você será direcionado à página de Downloads do ORSE. Para fazer o download do programa base, clique em “ORSE 2 Local com SQL Server“, você pode escolher dentre as versões 32 e 64 bits. Baixe também os arquivos de atualização para a versão mais recente.

Fontes:

http://www.ecivilnet.com/softwares/download-orse-orcamento-de-obras-gratis.html

http://www.cehop.se.gov.br/orse/

Conferência Internacional, descubra o que será discutido sobre Desempenho e Dimensionamento de estruturas

O Instituto Wessex organiza, entre 11 e 13 de julho, em Ljubljana, Eslovénia, mais uma edição da Conferência Internacional sobre Elevado Desempenho a Otimização do Dimensionamento de Estruturas e Materiais – PSM/OPTI 2018, dirigida a engenheiros civis e engenheiros de estruturas.

1

Continuar lendo

Conheça a dessalinização a partir do uso do grafeno

A escassez da água é uma preocupação real e não é algo distante, e sim para um futuro próximo. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU) mais de 2,7 bilhões de pessoas devem sofrer com a falta de água em 2025. A Comissão Econômica da ONU pede um esforço principalmente dos países desenvolvidos para a proteção dos recursos hídricos. E a partir de pesquisas, que são desenvolvidas há mais de uma década, uma alternativa para combater a escassez é a dessalinização da água dos oceanos. O objetivo é transformar a água salgada dos oceanos em água potável, através dos filtros com grafeno, tornando-as próprias para o consumo.

escassez-de-agua-blog-da-engenharia.jpg

Continuar lendo

Toners de impressora são usados na pavimentação de ruas na Austrália

O que você faz com um toner de impressora vazio? Se a primeira coisa que você pensou foi “coloco no lixo”, volte duas casas e vamos refletir sobre uma palavrinha que parece mais do mesmo, mas que nunca sai de moda: sustentabilidade. Um exemplo de ação de sustentabilidade é a Austrália, onde os toners de impressora são usados na pavimentação de ruas. É, também, uma prova de que estamos mudando a forma de descartar nossos resíduos.

toner-impressora-asfalto-blog-da-engenharia-2.jpg

Continuar lendo

Como realmente se encontra o Brasil no que tange o Planejamento de Sistema de Transportes

No brasil, a malha rodoviária é utilizada para o escoamento de 75% da produção no país, seguida da marítima (9,2%), aérea (5,8%), ferroviária (5,4%), cabotagem (3%) e hidroviária (0,7%), de acordo com a pesquisa Custos Logísticos no Brasil, da Fundação Dom Cabral.

É por isso que uma greve, como a de caminhoneiros, pode realmente parar o país e provocar uma enorme crise de abastecimento.

image

Rodovias primeiro

Mas por que, afinal, o Brasil depende tanto do transporte rodoviário de carga e passageiros?

Para Paulo Resende, coordenador do núcleo de Logística e Infraestrutura da Fundação Dom Cabral, os governantes brasileiros nunca priorizaram adotar outros tipos de sistema de transporte porque isso não tem impacto eleitoral. Essa seria uma das razões, por exemplo, para que o projeto da ferrovia Norte-Sul, que cruzaria o país, nunca tenha saído do papel. “Já viu alguém inaugurar ferrovia rapidamente pra ganhar eleição?”, diz ele à BBC Brasil. “No Brasil, acontece o chamado fator subjetivo, que tem a ver com modelo de gestão de negócios. Os políticos, os burocratas pensam ‘Eu tenho que deixar a marca do meu governo, tenho que fazer alguma coisa nova’. Aí todo mundo que entra [num governo], abandona projetos anteriores e cria um novo, que acha que é melhor. O Brasil é pais cuja estratégia é substituir o velho pelo novo, com completo abandono do velho. Você cria uma descontinuidade de projetos. Há uma questão cultural de trabalhar com curto prazo porque é compatível com a agenda eleitoral.”

O consultor de trânsito Sergio Ejzenberg, mestre em transportes pela Universidade de São Paulo, diz que o Brasil chegou a esse modelo de dependência quase total de rodovias em função de décadas de decisões “desastrosas” e que não como mudar esse quadro no curto prazo.

“Precisamos de menos ingerência política nas decisões técnicas que envolvem a logística de transportes. O Brasil tem dimensão continental e produz quantidades de commodities, tanto agrícolas quanto minerais, que precisam ser transportadas por meios razoáveis e racionais, não por apenas caminhões. É inacreditável que para levarmos soja até o porto de Santos, essa mercadoria precise ser escoada antes por rodovias”, diz.

Descompasso

O professor Rezende, da Fundação Dom Cabral, afirma que o governo federal não entende a matriz de transportes no Brasil. “A participação do sistema modal rodoviário é de mais de 75% no país, mas o governo trabalha com uma matriz de 58% cuja logística não representa a realidade. E aí ele perde a noção da rede brasileira de abastecimento por caminhões. O governo não tem noção”, fala.

Segundo o especialista, as autoridades cometem um arro ao atribuírem a greve apenas ao elemento caminhoneiro.

“A indústria passou por uma transformação e as políticas brasileiras não acompanharam a transformação. A cadeia de suprimentos, a supply chain, não trabalha mais com grandes estoques, é quase que na hora em todos os setores. Quando você tem uma logística desse tipo, o papel do estoque é substituído pelo do transporte. Não tem estoque mais pra amortecer a demanda”, diz.

Mais produtividade

Pensadas as políticas de investimento para o transporte e postas em prática, a realidade do transporte no Ceará e no restante do País poderia ser outra. A mudança de cenário passaria principalmente, com aumento da produtividade e da agilidade dos mecanismos de logística.

“Não necessariamente nós temos de copiar de outros países porque cada um tem uma realidade. Se você fizer com a participação de todos os interessados, pode ser que funcione. Você tem correções de rumo, como o término das obras, por exemplo. É urgente a questão de terminar o que já foi iniciado”, diz o professor do Departamento de Engenharia de Transportes da Universidade Federal do Ceará (UFC), Mário Angelo Azevedo.

Planejamento

Outro ponto abordado por Azevedo é a identificação de necessidades. “Você vai achar o melhor modo para transportar. A solução rodoviária está mais na mão. Você tem que planejar e procurar com que não aconteçam os gargalos. É preciso também distribuir o desenvolvimento entre estados e as cidades. É um planejamento de investimento. Não adianta ter o recurso e não saber como aplicá-lo.”

De acordo com o professor da UFC, a multimodalidade não descarta o transporte rodoviário, mas oferece outras possibilidades para o seu uso. “Mesmo que você transportasse por trem ou navio, o rodoviário faz porta a porta. Você pode ter até sistema de distribuição na linha ferroviária, mas sempre vai precisar do rodoviário. O que a gente precisa trabalhar no Brasil são as grandes distâncias e com um prazo muito longo”, acrescenta.

Fontes:

https://g1.globo.com/economia/noticia/por-que-o-brasil-depende-tanto-do-transporte-rodoviario.ghtml

http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/infraestrutura-de-transporte-requer-investimento-de-ate-30-anos-1.1948474

Situação do esgoto no Brasil: como ela representa uma ameaça à qualidade da água

Desde pequeno, o brasileiro ouve que o seu país possui uma imensa quantidade de água doce. Esse é um dos elementos que justifica o fato de que a consciência em relação à economia de água é mínima. Além do consumo elevado, o Brasil também possui problemas como uma perda de água muito grande no abastecimento, falta de saneamento, problemas no esgoto, desmatamento e alto consumo e poluição provenientes da atividade agrícola.

situacao-esgoto-Brasil-blog-da-engenharia-1.jpg

Continuar lendo

O que é CREA? Quais as suas funções?

A sigla CREA significa Conselho Regional de Engenharia e Agronomia, possui entidades em cada estado do Brasil e constituem a incorporação regional do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia – CONFEA. Trata-se do maior Conselho de Fiscalização do exercício profissional da America Latina e possivelmente um dos maiores do mundo.

As principais funções do CREA é verificar, orientar e fiscalizar os exercícios profissionais com o objetivo de defender a sociedade das práticas ilegais dos ofícios que são abrangidos pelo sistema CONFEA/CREA. Além de promover a valorização profissional e garantir a primazia dos exercícios das atividades profissionais.

a1

Continuar lendo