As 10 maiores pontes do mundo em extensão

Considerando somente pontes feitas sobre as águas, baseando-se no tamanho de sua extensão total, as 10 maiores pontes do mundo se apresentam a seguir:

10ª – Ponte Jintang, China

Ponte Jintang, China

Ponte Jintang, China

A décima maior ponte do mundo se trata da Ponte Jintang. É uma ponte rodoviária com uma parte estaiada para passagem de navios, construída em Zhejiang, China.

Foi construída sobre o Arquipélago Zhoushan e é uma das mais longas pontes da China, com um comprimento de 26,5 quilômetros, ligando a Ilha Jintang com Zhenhai, Ningbo. Consiste de uma ponte marítima de 18,5 quilômetros e seções mistas, totalizando 8,5 quilômetros. Continuar lendo

Anúncios

Um dos mais belos edifícios da China vai passar do conceito à construção

A construção daquele que poderá vir a ser um dos mais belos edifícios da China moderna vai ter início em Dezembro deste ano em Longquan, Chengdu. O Centro de Exposições Oasis, da autoria do atelier londrino Marques & Jordy, é caraterizado pelas suas linhas curvas, a fazer lembrar o design desportivo automóvel.

Continuar lendo

Rotatória para pedestre? Na China tem!

Quando muitas vias convergem para – ou partem de – um único ponto da cidade, o trânsito costuma ficar caótico. E a melhor solução que a engenharia apresentou para o problema até hoje foi a rotatória, um recurso que permite os cruzamentos, mas não elimina a bagunça. Pior, dificulta a vida do pedestre, o último a ser notado por motoristas mais preocupados em sair ilesos da roleta.

Mas não no bairro de Pudong, em Xangai, na China. Ali, os pedestres ganharam uma rotatória só para eles: a passarela circular Lujiazui, construída do lado leste do rio Huangpu, na zona econômica e financeira da cidade, cercada por arranha-céus onde não havia nada além de terra há 15 anos.

Suspensa quase 20 metros acima da rua, a ponte permite que os pedestres passem de um lado a outro da rotatória em segurança, desde que estejam dispostos a percorrer o mesmo trajeto circular dos automóveis. De brinde, eles ainda têm a chance de assistir de camarote às confusões em que os motoristas se metem logo abaixo.

A passarela dá acesso ao edifício Oriental Pearl Tower, conectando os prédios de escritórios do centro financeiro das redondezas a áreas de lazer e compras, como shoppings e cafés.

Com 5,5 metros de largura, a ponte permite que 15 pessoas caminhem lado a lado, facilita o acesso aos transportes públicos e ainda é toda iluminada à noite, o que dá um bonito efeito à região. Além disso, vãos longos entre colunas também proporcionam agradáveis experiências em relação ao nível da rua, de onde se pode ver a cidade um pouco mais do alto, tornando a rotatória ideal também para passeios turísticos. Xangai style.

Fonte: Casa Vogue

Maior edifício do mundo será construído em apenas 3 meses

De acordo com uma notícia publicada pelo site ConstructionWeekOnline, a construção do que deverá se tornar o edifício mais alto do mundo — com 220 andares e inacreditáveis 838 metros de altura — será iniciada no ano que vem. E concluída em apenas 90 dias!

Segundo a publicação, o cronograma das obras do Sky City, que será localizado nas margens do rio Xiangjiang na cidade de Changsha, na China, prevê a construção de cinco andares por dia. O segredo de tamanha rapidez será a utilização de um sistema de pré-fabricados modulares desenvolvido pelo grupo chinês Broad Group.

A empresa responsável pela façanha garante que alguns dos engenheiros envolvidos no projeto do Sky City também participaram da construção de outro famoso edifício, o Burj Khalifa, e entregar obras em tempo recorde não é nenhuma novidade para a construtora. O Broad Group foi o responsável por levantar um hotel de 30 andares em apenas 15 dias, e o prédio continua firme e forte, em pleno funcionamento.

Números da construção

Segundo o grupo chinês, o custo da obra relâmpago será de US$ 628 milhões (aproximadamente R$ 1,3 bilhão), e 83% da área do edifício será residencial. Os construtores calculam que 31.400 pessoas poderão viver no prédio, e a estrutura contará com 104 elevadores, escolas e hospitais, além de escritórios, lojas e restaurantes.

Serão utilizadas 200 mil toneladas de aço na construção, e o edifício será capaz de suportar terremotos de 9.0 graus na escala de Richter e incêndios durante três horas. O custo do metro quadrado do Sky City foi estimado em US$ 1.500 (cerca de R$ 3 mil) e, a título de curiosidade, a construção do Burj Khalifa — de 829 metros de altura — demorou 5 anos, custou US$ 1,5 bilhão e o metro quadrado está estimado em US$ 15mil (cerca de R$ 30 mil).

Fonte: TecMundo

A maior cidade autossustentável do mundo

Lar de mais de 1.3 bilhões de pessoas, a China, um dos países mais poluidores do Mundo, tem feito grandes investimentos em sustentabilidade nos últimos anos. Procurando se tornar mais eficiente na utilização de seus recursos, o governo chinês, em parceria com o governo da Singapura, busca construir a maior cidade autossustentável do Mundo.

Com um projeto ambicioso, que incluem baixo teor de carbono, muito verde e mudanças nos hábitos da população, “Tianjin Eco-city” está planejada para abrigar cerca de 350 mil pessoas em 30 km² e deve ser entregue até 2020.  Continuar lendo

Maravilhas da Engenharia #3: Três Gargantas, a gigante das águas!

Dando continuidade ao bloco Maravilhas da Engenharia, chegou a vez da maior barragem e represa do mundo: Três Gargantas!

A Hidrelétrica Três Gargantas foi construída no rio Yang-Tsé, na China e é a maior estação do mundo em geração de energia em termos de capacidade instalada (22.500 MW), mas  acabou se tornando a segunda em termos de energia gerada efetivamente, sendo ultrapassada pela binacional Itaipu, localizada na fronteira do Brasil e do Paraguai, sendo administrada por ambos países.

Além disso, a hidrelétrica Três Gargantas possui 600 pés de altura e segura 1.4 trilhões de metros cúbicos de água por trás 100 milhões de pés cúbicos de concreto.

História

Durante a primeira metade do século XX, o governo chinês acreditou que seria capaz de criar uma represa capaz de gerar 22GW na região onde hoje se encontra as Três Gargantas; contudo, por volta de 194o a China passou a ser dominada pelos japoneses, esses  fizeram levantamentos e concluíram um projeto para construção da barragem caso obtivessem plena vitória sob a China.

Entre esse período e o início da construção, a China vivenciou vários momentos, tais como a retirada dos japoneses e a guerra civil e, por isso, o projeto inicial acabou interrompido, sendo retomado apenas nos anos 90 com o avanço do desenvolvimentismo chinês.

Construção

A construção das Três Gargantas se iniciou em 3 de dezembro de 1992, sendo concluída em 20 de maio de 2006, seis meses antes do prazo previsto.

A obra gerou muitas polêmicas devido ao seu imenso impacto ambiental, deslocamento das águas e dos moradores do entorno. Ao todo, mais de 10000 habitantes tiveram que se deslocar de suas casas em prol da hidrelétrica.

A construção do corpo principal do complexo do reservatório da água das Três Gargantas incluiu o seguinte trabalho:

  • escavação da rocha e terra com um volume 102.83 milhões m³;
  • colocação de betão com volume de 27.94 milhão m³;
  • reenchimento da rocha e terra com um volume de 31.98 milhão m³;
  • instalação da estrutura de metal com o peso de 256500 toneladas;
  • instalação de vinte e seis do unidades geradores de energia com 700 MW (não incluindo as seis unidades 700MW na central geradora no subterrâneo do banco direito sob a construção).

Ao ser concluída, a obra das Três Gargantas passou a ter como função a prevenção de enchentes, a geração de energia e facilitar o transporte fluvial, e por isso, ela desempenha um papel importante no  desenvolvimento sócio-econômico da China.

Três Gargantas operando em capacidade máxima

Mais informações

Turbinas: 32 (6 subterrâneas)
Potência Nominal: 700 MW (megawatts)
Potência instalada: 9800 MW (2005)
Potência instalada total: 22400 MW )
Altura: 181 metros (~600 pés)
Comprimento da barragem: 2309 metros (só concreto)
Capacidade de vazão: 102500 m³/s
Escavações: 102,59 milhões m³

Reservatório:
Extensão: 600 km
Área: 1084 km²
Armazenamento: 39,3 km³
Nível normal de operação: 175 m

Fontes: Wikipedia, Gigantes do Mundo, Engenharia Civil

Apartamento Transformer

Cidades cada vez mais populosas, apartamentos cada vez menores. Esta é uma realidade para a maior parte do mundo. Na China, o país mais populoso do mundo com mais de 1,3 bilhão de habitantes, a falta de espaço não é novidade. Em grandes cidades como Hong Kongsão comuns moradias diminutas, com cerca de 30 metros quadrados que abrigam famílias inteiras. É neste espaço que o arquiteto chinês Gary Chang conseguiu criar nada menos do que 24 espaços diferentes! Ele não quis abrir mão do pequeno apartamento onde costumava morar com a família desde os 14 anos e utilizou muita criatividade para adaptá-lo às suas necessidades. Chang intitulou seu projeto de “Domestic Transformer”, título que cabe muito bem ao apartamento. “A casa se transforma, e eu não me mexo, estou sempre aqui. A casa se move por mim”, diz Gary.

O segredo para o que parece ser mágica é um sistema de paredes móveis, que permite a modificação do ambiente. Foram instalados trilhos no teto e no chão por onde os painéis deslizam permitindo que a mudança seja rápida e prática. Para disfarçar os trilhos, o teto é espelhado, o que também proporciona a sensação de que o espaço é maior e ainda permite maior aproveitamento da luz.

No apartamento, Gary tem tudo o que precisa: sala de estar, quarto, cozinha, banheiro e ainda alguns luxos como quarto de hóspedes, biblioteca e sala de projeção! E tudo isso ainda é feito de forma sustentável. O gasto para a adaptação do apartamento foi muito maior de que o seu preço de custo, o arquiteto investiu cerca de 218 mil dólares na sua criação, mas com certeza o gasto é compensado pela exclusividade de possuir um espaço como este.

Veja o vídeo com mais detalhes do apartamento:

Fonte: PET Civil UFJF

Construtora chinesa completa edifício de 30 andares em 15 dias

Prédio foi construído com estrutura metálica pré-fabricada e é resistente à terremotos de até 9 graus na escala Richter

Mauricio Lima

Após construir um edifício de 15 andares em apenas seis dias, a construtora chinesa Broad Group acabou de finalizar a construção de um prédio de 30 andares em apenas 360 horas. O Ark Hotel, localizado na cidade chinesa de Dongting Lake, na província de Hunan, foi executado em estrutura metálica pré-fabricada, sendo que todos os pavimentos já vieram prontos para o canteiro, inclusive com as instalações hidráulicas e elétricas, precisando somente ser montadas na obra.

Segundo a construtora, o edifício é cinco vezes mais resistente que prédios comuns, conseguindo suportar terremotos de até nove graus na escala Richter. A fundação foi feita com estacas cravadas. A estrutura metálica ainda conta com suportes diagonais para auxiliar no suporte.

Além disso, a empresa afirma que o prédio promove economia de energia por meio da utilização de janelas que protegem contra a insolação. O Ark Hotel ainda conta com um sistema de ventilação para liberar o ar quente de dentro dos apartamentos e com um sistema de filtração tripla do ar.

Fonte: www.piniweb.com.br