Novo sistema solar híbrido para coberturas de edifícios gera eletricidade e calor

oi

Engenheiros da Universidade Brunel de Londres estão desenvolvendo um novo sistema solar híbrido, dirigido a coberturas de edifícios de habitação, que permite suprir simultaneamente as necessidades domésticas de calor e eletricidade. No coração da tecnologia está uma matriz de tubos de calor supercondutores que transporta água quente para o interior e evita o sobreaquecimento das células solares fotovoltaicas.

Em geral os sistemas fotovoltaicos produzem tanto mais energia quanto maior a intensidade da luz solar incidente. No entanto, quando sobre-expostos ao calor solar, os painéis fotovoltaicos tendem a aquecer excessivamente, o que degrada a sua capacidade de produzir eletricidade.
A malha de tubos supercondutores permite dissipar parte do calor, evitando que a capacidade de transformação de luz solar em energia elétrica sofra quebras significativas.
Esse calor, transferido para a água em circulação no interior da matriz de tubos é conduzido para o interior dos edifícios e libertado, nos locais e alturas certas, através do radiadores distribuídos pelos compartimentos. Quando requerido essa água é também integrada diretamente no sistema doméstico de abastecimento de água quente.
Um dos grandes inconvenientes do uso de coberturas solares tradicionais, o aquecimento excessivo da habitação devido à condução direta do calor do telhado para o interior, é também ultrapassado.

Este novo sistema é modular, tendo os painéis sido dimensionados para se encaixarem facilmente entre si, como se de peças de Lego se tratassem. Como os elementos ficam perfeitamente alinhados e sem folgas intermédias, a cobertura solar oferece maior estanquidade evitando que as zonas mais vulneráveis da estrutura de cobertura fiquem expostas às agressões climatéricas.

Os ensaios realizados pela Universidade Brunel permitiram apurar um incremento de 15% no desempenho do sistema fotovoltaico, em comparação com sistemas convencionais que não utilizam qualquer dispositivo de dissipação de calor.

oi2

oi3

oi4

Fonte: Site Engenharia Civil

Designers criam alternativa em energia eólica para Masdar city

Um novo conceito de energia eólica está sendo planejado para Masdar City, em Abu Dhabi. O projeto envolve uma ideia totalmente diferente, que utiliza uma série de 1.203 “talos” de 55 metros de altura, 30 centímetros de diâmetro na base e cinco centímetros no topo. Os chamados “Windstalks” – de geração de energia cinética – balançam com o vento de forma semelhante aos talos de trigo. Eles estão ancorados no chão, em bases de concreto que variam entre dez e 20 metros de diâmetro.

Os “windstalks” – de geração de energia cinética – utilizam uma série de 1.203 “talos” de 55 m de altura, 30 cm de diâmetro na base e cinco centímetros no topo

Continuar lendo

Ceará receberá dez parques eólicos

Leilão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realizado ontem (21) para a construção de dez parques eólicos no Ceará teve como vencedores o consórcio formado pela Alupar e Furnas. Os parques serão construídos no município de Aracati (CE), para a geração de 204 MW de energia eólica a partir de janeiro de 2016.

Continuar lendo

Construção investe R$ 1,14 bi

Valor supera 14% os aportes de 2010 e não contabiliza os investimentos nem do MCMV nem da Copa

O setor de construção civil investiu em Fortaleza, no primeiro semestre deste ano, um volume de R$ 1,14 bilhão, valor que supera em 14% os aportes do ano passado. A quantia leva em consideração as vendas de incorporação, sem contar com os investimentos do programa federal de habitação Minha Casa, Minha Vida (MCMV). Além disso, há uma previsão inicial de que, por consequência da Copa do Mundo, sejam investidos na Cidade, até 2014, recursos da ordem dos R$ 9,4 bilhões.

Continuar lendo