Pesquisadores da Universidade Federal do Amazonas desenvolvem telha sustentável composta por fibras naturais

foto_ecotelhas_1

Pesquisadores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) estão desenvolvendo o protótipo de uma telha sustentável. Ela é feita, principalmente, com fibras naturais da Amazônia, como a malva e a juta, e com uma argamassa que inclui areia, resíduos de cerâmica e pouco cimento.

Segundo o subcoordenador do projeto de pesquisa no qual a telha está sendo desenvolvida, doutor em Engenharia de Materiais de Construção, João de Almeida, a ecotelha é fruto do sistema de argamassa reforçada com fibras vegetais. O sistema consiste na produção de telhas através da prensagem (compressão) de uma argamassa composta por cimento, areia, Metacaulinita (resíduos de cerâmica) água e outros elementos, reforçada com camadas de tecidos de fibras de juta e malva industrializados.

Essa composição, segundo ele, fornece mais resistência ao material e pode melhorar a sensação térmica nas residências localizadas nas regiões mais quentes do país. “Além de ter menos cimento em sua constituição, ela tem também areia, que se torna um material mais barato, além das fibras naturais. A matriz que utiliza o cimento é muito frágil e as fibras naturais é que vão dar a verdadeira resistência a esse material. O conjunto que a gente chama de “material compósito” vai produzir um material com maior resistência mecânica. E a gente já verificou que tem maior desempenho térmico devido ao uso de resíduos cerâmicos”, garantiu.

ecotelha_2

Processo de produção das telhas através da prensagem

 

ecotelha_1

A Metacaulinita

Segundo João de Almeida, a utilização da metacaulinita na produção da argamassa é o diferencial da telha. O material evita a degradação das fibras ao longo do tempo mantendo-a resistente e durável. Esse resíduo também reduz o consumo de cimento em até 50%, tornando o produto altamente competitivo em todas as suas características.

“No nosso caso, estamos utilizando um resíduo cerâmico. A metacaulinita é um tipo de argila queimada. Na nossa região temos esse material em grande quantidade. Temos utilizado, principalmente, resíduos das olarias, pedaços de telhas e tijolos, e fazemos o reaproveitamento desse material. Temos aproximadamente 60 olarias nas proximidades de Manaus, então, estaremos usando o rejeito dessas olarias”, explicou Almeida.

Impacto Social

Para o pesquisador, a telha sustentável terá boa aceitação pelos consumidores porque, além de ser mais barata, será parecida com as disponíveis no mercado, o que facilitará o trabalho de instalação e reposição em reformas.. João de Almeida acredita que a utilização das fibras naturais para a produção das ecotelhas também vai estimular o trabalho de produtores ribeirinhos. “A gente acredita que o fato de o cultivo dessas fibras ser feito, principalmente, por comunidades ribeirinhas, a utilização dessas fibras no desenvolvimento de um material de construção e a possibilidade de que seja usado em grande escala vai incentivar essas comunidades a produzir e aumentar sua renda.

O pesquisador informou que o protótipo da ecotelha deve ficar pronto em 12 meses e a expectativa é que a tecnologia seja transferida para empresas do setor da construção civil.. Após esse processo, ele disse que será necessário um patrocínio para adquirir o maquinário destinado à produção em larga escala. O projeto recebe o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas. A entidade concede R$ 50 mil, por meio do programa Sinapse da Inovação, para o desenvolvimento de tecnologias inovadoras.

ecotelha_foto_ericoxavier_agenciafapeam

Fontes:

Agência Brasil

FAPEAM

Apartamento Transformer

Cidades cada vez mais populosas, apartamentos cada vez menores. Esta é uma realidade para a maior parte do mundo. Na China, o país mais populoso do mundo com mais de 1,3 bilhão de habitantes, a falta de espaço não é novidade. Em grandes cidades como Hong Kongsão comuns moradias diminutas, com cerca de 30 metros quadrados que abrigam famílias inteiras. É neste espaço que o arquiteto chinês Gary Chang conseguiu criar nada menos do que 24 espaços diferentes! Ele não quis abrir mão do pequeno apartamento onde costumava morar com a família desde os 14 anos e utilizou muita criatividade para adaptá-lo às suas necessidades. Chang intitulou seu projeto de “Domestic Transformer”, título que cabe muito bem ao apartamento. “A casa se transforma, e eu não me mexo, estou sempre aqui. A casa se move por mim”, diz Gary.

O segredo para o que parece ser mágica é um sistema de paredes móveis, que permite a modificação do ambiente. Foram instalados trilhos no teto e no chão por onde os painéis deslizam permitindo que a mudança seja rápida e prática. Para disfarçar os trilhos, o teto é espelhado, o que também proporciona a sensação de que o espaço é maior e ainda permite maior aproveitamento da luz.

No apartamento, Gary tem tudo o que precisa: sala de estar, quarto, cozinha, banheiro e ainda alguns luxos como quarto de hóspedes, biblioteca e sala de projeção! E tudo isso ainda é feito de forma sustentável. O gasto para a adaptação do apartamento foi muito maior de que o seu preço de custo, o arquiteto investiu cerca de 218 mil dólares na sua criação, mas com certeza o gasto é compensado pela exclusividade de possuir um espaço como este.

Veja o vídeo com mais detalhes do apartamento:

Fonte: PET Civil UFJF

Construção civil investe em novas técnicas

A falta de mão de obra qualificada necessária para atender a demanda da construção civil faz com que o setor invista em pesquisas e encontre técnicas capazes de tornar as obras mais rápidas sem que a segurança e a sustentabilidade ambiental e econômica sejam deixadas de lado.

Entre as tecnologias para construir mais rápido e com menor custo está o steel framing, já bastante disseminada nos Estados Unidos e que vem conquistando os brasileiros. Diferente do sistema construtivo em alvenaria, prevê a construção de imóveis com base em perfil metálico revestido com drywall ou placas de madeira OSB.

Segundo o engenheiro civil Mauro José de Souza Araújo, também professor dos cursos de Engenharia Civil e Arquitetura do Cesumar, de quebra o steel framing proporciona conforto acústico e térmico, já que entre essas placas podem ser empregados isolantes à base de lã de rocha, lã de vidro ou lã de garrafa de plástico reciclável (PET). Já externamente, o acabamento pode ser realizado com uma placa cimentícia feita com a mistura de papelão e cimento.


Estrutura em perfil metálico, steel framing é sinônimo de obra racional, rápida e limpa

Continuar lendo

Empreendimentos na Grande BH utilizam a tecnologia em larga escala

Arenas esportivas, fábricas, conjuntos habitacionais e outras edificações são favorecidas do ponto de vista de prazo, economia de custo final e canteiro racionalizado

Elementos pré-fabricados vivem um momento favorável.  A falta de mão de obra na construção — que pode ser compensado com o uso intensivo de componentes prontos para obra —, cronogramas e orçamentos apertados — tornam a pré-fabricação mais competitiva — e a própria difusão da tecnologia no País dão sustentação à afirmativa.

Continuar lendo

USP lança sistema de indicadores de Engenharia

No começo de dezembro foi lançado o sistema de indicadores de engenharia EngenhariaData, elaborado pelo Núcleo de Apoio à Pesquisa Observatório da Inovação e Competitividade (NAP-OIC), sediado no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP). Este foi o primeiro relatório de uma série periódica, que apresenta dados e análises sobre formação, mercado de trabalho e produção científica na Engenharia brasileira entre 2000 e 2009.

 

Segundo o EngenhariaData, o número de engenheiros cresceu de 123 mil em 2000 para 229 mil em 2010, um aumento de 85%, percentual superior ao total do emprego formal no país para o período de 68%. Houve um aumento do número absoluto de engenheiros em praticamente todos os setores de atividade econômica, sendo os de indústria de transformação, serviços e construção civil os de maiores crescimentos.

Continuar lendo

Bairro de cidade alemã gera 20% da energia consumida com luz solar

Vauban, em Freiburg, foi planejado para abrigar imóveis de baixo consumo.Casas funcionam como miniusinas de geração de energia elétrica.

Eduardo Carvalho Do Globo Natureza, em Freiburg – o repórter viajou a convite do governo de Baden-Württemberg

 

Com casas construídas para reaproveitar a incidência de raios solares para a geração de aquecimento interno e energia elétrica, o bairro de Vauban, em Freiburg, na Alemanha, é considerado um exemplo do que se chama “viver com sustentabilidade”.

Com 2 mil moradias e 5 mil habitantes, a área de 410 mil metros quadrados abrigou uma antiga base militar pertencente à França, no período pós-Segunda Guerra Mundial, desativada três anos após a queda do Muro de Berlim, em 1989.

Continuar lendo

Escorregador de cimento

 Construtora cria rampa para sacos de cimento e consegue reduzir mão de obra necessária para descarregar o material

Divulgação: C.Rolim Engenharia

A C. Rolim Engenharia desenvolveu um escorregador para sacos de cimento que permitiu reduzir o número de ajudantes necessários para transportar o material até o estoque. Segundo o engenheiro Felipe Brito, supervisor de obras da construtora, a solução vem sendo adotada em vários canteiros da empresa em Fortaleza.

Continuar lendo

Megaparede protege casa de vento polar

Arquitetos noruegueses tiveram de lançar mão de um inusitado recurso para construir uma casa no meio do nada no interior da Islândia. Colocados diante do desafio de uma paisagem pedregosa, de vulcões, glaciares e gêiseres, onde o vento polar sopra forte durante boa parte do ano, eles ergueram uma imensa parede para barrar a incessante brisa. Para o norte, de onde vem o vento constante, a residência está protegida por uma enorme fachada curva que parece fazer a casa tombar sobre si mesma. É ela, entre outros elementos, que mantém os moradores ao abrigo do frio, tornando a construção habitável.

Veja mais fotos após o pulo.

Continuar lendo

Veja a maior ponte com teto solar do mundo

A nova estação de Blackfriars, em Londres, instalada numa ponte vitoriana, de mais de cem anos, está para se tornar a maior ponte alimentada por energia solar do planeta. Ao todo, 4,4 mil painéis fotovoltaicos, compondo mais de 6 mil m² de área, irão ajudar a abastecer as necessidades de consumo da estação que cruza o Rio Tâmisa, no coração da capital.

Ponte com teto solar (Foto: Divulgação)

Ponte com teto solar (Foto: Divulgação)

Continuar lendo

Conheça o viaduto mais alucinante do mundo!

Viaduc de Millau (Fonte da imagem: Viaduc de Millau

Nós já trouxemos aqui algumas obras da engenharia que conseguem aliar avançados recursos tecnológicos com construções impressionantes. O desenvolvimento de um túnel ferroviário por baixo dos Alpes Suíços, por exemplo, é algo capaz de mostrar o que realmente o ser humano é capaz de desenvolver.

Continuar lendo