O que é CREA? Quais as suas funções?

A sigla CREA significa Conselho Regional de Engenharia e Agronomia, possui entidades em cada estado do Brasil e constituem a incorporação regional do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia – CONFEA. Trata-se do maior Conselho de Fiscalização do exercício profissional da America Latina e possivelmente um dos maiores do mundo.

As principais funções do CREA é verificar, orientar e fiscalizar os exercícios profissionais com o objetivo de defender a sociedade das práticas ilegais dos ofícios que são abrangidos pelo sistema CONFEA/CREA. Além de promover a valorização profissional e garantir a primazia dos exercícios das atividades profissionais.

a1

Continuar lendo

Anúncios

Conheça os benefícios do BIM para a Engenharia Civil

Já é de conhecimento geral o uso do BIM (Building Information Modeling). No entanto, ainda existem muitas dúvidas relacionadas a este tema e uma delas é sobre os benefícios que ele pode trazer ao nosso trabalho, uma vez que a implantação do BIM demanda uma nova estratégia para a adoção de um novo sistema, comprometimento da equipe para a implantação de novos softwares, análise de investimento e outras etapas.

Enfrentar algo totalmente novo pode gerar algumas dúvidas. Então antes de mais nada, precisamos entender conceitualmente do que se trata o BIM.

b1

Continuar lendo

Concreto protendido precisa de manutenção?

A manutenção é fundamental para qualquer projeto de engenharia e construção civil. No caso do concreto protendido, isso não podia ser diferente.

Esse tipo de prática consiste em aumentar a resistência da estrutura de concreto através da mistura com cabos de aço, promovendo uma tensão uniforme e diminuindo o desgaste natural. Isso traz diversos benefícios, incluindo uma melhor capacidade de absorção de forças.

a1

Continuar lendo

Confira a situação dos reservatórios hídricos do Estado do Ceará!

Um bilhão e meio de metros cúbicos (m³) de água foi acumulado pelos açudes cearenses em abril, até esta terça-feira, 24. Foi o melhor mês de 2018 em chuvas. Assim, os 155 reservatórios somam 3 bilhões de m³. A informação é da Resenha Diária do Monitoramento, da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh).

1

Continuar lendo

Compactação do solo: Processo essencial para a engenharia

compactação de solos consiste no procedimento de melhorar as propriedades do terreno através de processos manuais ou mecânicos.

Geralmente, um solo quando é transportado e aterrado está num estado relativamente fofo e heterogêneo e, portanto, pouco resistente e muito deformável. Os procedimentos de compactação visam fornecer ao solo melhorias destes aspectos.

A compactação é um processo que visa melhorar as propriedades do solo através da redução dos seus vazios pela aplicação de pressão, impacto ou vibração. Além disso, esse processo torna o maciço mais homogêneo. Esta operação resulta no aumento do peso específico aparente do solo.

Com a diminuição dos vazios do solo, espera-se uma redução da variação dos teores de umidade, da compressibilidade e da permeabilidade e um aumento da resistência ao cisalhamento e à erosão.

Continuar lendo

Como avaliar o desempenho do tirante para protensão?

Tirante é uma peça constituída com elementos resistentes à tração, estruturada de acordo com especificações do projeto para garantir segurança e sustentação a uma dada obra. Para aprofundar melhor o assunto, a ABNT NBR 5629 traz normas bastantes claras sobre o uso adequado, técnicas e padrões de segurança para o uso dessas estruturas.

Para que o trabalho técnico seja bem executado é importante buscar no mercado, sistemas de protensão com alto padrão de segurança e qualidade, com comprovação através de certificação de instituição acreditada.

TIRANTES

Continuar lendo

Conheça os principais tópicos de um orçamento de obras

O orçamento de obras é uma das etapas que mais causa dores de cabeça aos profissionais da construção civil. Por envolver itens e serviços que muitas vezes não podem ser quantificados numericamente, muitas vezes os orçamentistas acabam produzindo um orçamento simples e raso, que não corresponde à realidade do projeto que vai ser construído. Resultado: obras atrasadas e prováveis prejuízos para a construtora.

i1

Continuar lendo

Barragens: Conheça mais sobre essas estruturas e seus diversos tipos!

Construídas de forma natural ou artificial sobre córregos, rios ou canais, as barragens têm a função de reter e controlar o fluxo de água. Independentemente de sua finalidade e do tipo de funcionamento, que varia bastante, elas apresentam um elemento comum: em algum ponto do percurso, a água fica retida no reservatório formado pelos suportes erguidos.

A especialista Fernanda Gouveia, coordenadora do Laboratório de Engenharia Civil (LEC) e professora do mestrado em Engenharia de Barragens da Universidade Federal do Pará (UFPA), elenca as funções dessas estruturas: “As barragens são utilizadas para o abastecimento de água para consumo humano e de animais; para a irrigação, a recreação e o paisagismo; para o controle da qualidade da água e de enchentes; para a garantia mínima de vazão a jusante; navegação; aquicultura; geração de energia elétrica; e contenção de rejeitos”.

i1

Continuar lendo

Armaduras e cobrimentos: Descubra a importância desses elementos para uma estrutura de concreto.

Em uma estrutura de concreto armado, o aço tem como função básica resistir aos esforços de tração. Isso ocorre, pois o concreto não possui resistência à tração suficiente para absorver os esforços solicitantes de uma edificação. Nessa lógica, durante a realização do cálculo estrutural, as regiões sujeitas aos esforços de tração devem ser armadas. Por exemplo, no caso de lajes simplesmente apoiadas, sob a ação de cargas verticais dirigidas de cima para baixo, a armadura deve ser colocada na face inferior da laje.

O trabalho solidário do concreto com o aço é possível graças às compatibilidades física e química que ocorrem entre os dois materiais:

  • Compatibilidade física – o aço e o concreto possuem deformações próximas durante as variações térmicas.
  • Compatibilidade química – o aço não se corrói com o ambiente alcalino do concreto.

CAs

Continuar lendo

Know the biggest circular building of the whole world!

This iconic commercial building of height 121m headquarters property developer Aldar of Abu Dhabi. Designed in Qatar by MZ & Partners in 2005, Arup became the senior advisor to the project and got the cores were completed at 12 months to project the first building engineering concept. The project was developed following the principles of the American system of classification of U.S. Green Building Council LEED, and offers 62,000 m2 of office space over 23 floors.

The building Aldar Headquater received several awards and recognitions, including the “Best Futuristic Design” award by The Building Exchange (BEX), and Silver LEED as green building Green Building Council (USA)

Aldar Headquarters has a distinctive design and innovative building facades hemispherical comprising two circular shaped convex, joined by a narrow strip of corrugated glass. This iconic structure is completely circular fully glazed elevation and curve in all other respects.

aldar1

Continuar lendo

Conheça as 10 Engenheiras mais poderosas do globo

Cada vez mais mulheres escolhem a Engenharia como profissão e conquistam aos poucos seu espaço, trabalhando em parceria com os profissionais do sexo masculino.

Conheça agora um pouco sobre e quem são as TOP 10 engenheiras do mundo!

Nº 10: Kath Polinsky – Salesorce – Vice-presidente de Engenharia da Salesforce

10

O CEO da Salesforce Marc Benioff está em uma missão recém-descoberta para encontrar e promover mulher talentosa em sua empresa. Cathy Polinsky tem sido, na verdade, uma engenheira de alto nível desde antes Benioff levar essa missão adiante.

Ela se juntou a Salesforce como engenheiro sênior em 2009, por meio do Yahoo (e Oracle antes disso). Ela realizou uma série de papéis importantes na engenharia.

Como vice-presidente de engenharia da busca corporativa, ela está conduzindo o esforço da Salesforce para criar o seu próprio motor de busca. Salesforce sonha em ser um grande jogador no novo e aquecido mercado de dados, e para fazer isso, ele precisa de sua própria tecnologia de busca.

 

Nº 09: Samantha Cristoforetti – Astronauta italiana – Astronauta da Agência Espacial Europeia

9

Em novembro de 2015, a primeira astronauta da Itália, Cristoforetti, mudou-se para a Estação Espacial Internacional para uma excursão de seis meses. Ela começou a twittar fotos e postar vídeos da vida no espaço o que a transformou em uma estrela internacional na mídia social.

Ela ensina ciências, e, fotos postadas da Terra, mostra seus truques para comer doces em anti-gravidade, e ainda fez um tour ao “toalete” da estação espacial. Deveria retornar em maio, mas permanecerá na até junho de 2018.

 

Nº 08: Aprille Ericsson – NASA – Gerente do Programa Goddard Space Flight Center da NASA 

8

Ericsson é amplamente conhecida como a primeira mulher afro-americana a receber um Ph.D. em engenharia na NASA Goddard Space Flight Center.

Ela teve uma longa carreira como engenheira aeroespacial na NASA, desde então, trabalhou duro até chegar ao cargo de engenheira de sistemas em 1989. Agora, ela está fazendo divulgação, ajudando parceiros da NASA para co-desenvolver tecnologia.
Ela também tem sido professora na Universidade de Howard.

 

Nº 07: Yanbing Li – Vmware – Vice-presidente e Gerente Geral de Armazenamento e Disponibilidade da VMware

7

Li se juntou a VMware como gerente de engenharia trabalhando na China, até operar o centro corporativo de P&D.

Depois de cinco anos na China, ela ganhou uma promoção que a levou para o Vale e a colocou no comando de instalações globais. Ela, lidera a unidade de engenharia central, uma organização de 1000 pessoas em 5 países.

Em outubro de 2015, ela recebeu uma nova missão: construir uma “nuvem pública” para armazenar dados que pode assumir o grande S3 da Amazon (para não mencionar a Microsoft e Google).

 

Nº 06: Jeannette Asa – Microsoft – Vice-presidente Corporativo da Microsoft Research 

6

A Microsoft gasta cerca de US$ 10 bilhões por ano em pesquisa e desenvolvimento, e Wing administra todos os laboratórios, as enormes instalações de pesquisa da Microsoft.

Vamos apenas acrescentar que ela veio a Microsoft em 2013 após sua impressionante carreira como docente de ciência da computação na Universidade Carnegie Mellon, e trabalhou no National Science Foundation antes disso.

 

Nº 05: Kate Bergeron – Apple – Vice-presidente de Engenharia de Hardware da Apple 

5

Bergeron teve uma carreira longa e próspera na Apple, ela ingressou na empresa em 2002, e chegou a ser engenheira mecânica na fabricação de moldes de produtos móveis e, em seguida, trabalhou na equipe de design do Mac.

Agora está ocupando um cargo na fabricação de uma gama de produtos, incluindo novas tecnologias, como o Apple TV. No outono passado, ela foi promovida a vice-presidente.

Além disso, ela ensina no D-Lab do MIT, que está projetando tecnologias para ajudar a tirar as pessoas da pobreza.

 

Nº 04: Jen Fitzpatrick – Google – Vice-presidente de Engenharia e Gestão de Produtos do Google 

4

Fitzpatrick lidera as equipes de produto e engenharia para os produtos locais do Google, serviços como busca local e do Google Places. No outono passado, também lhe foi dado um dos serviços mais preciosos do Google, o Google Maps.
Ela está no Google desde 1999 e nesse tempo, já trabalhou em um grande número de projetos do Google, como AdWords, o Google News, engenharia corporativa e o sistema de pesquisa do Google.

 

Nº 03: Diane Greene – Empreendedora – Investidor-anjo, membro do conselho do Google, fundadora de startup

33

Diane Greene foi co-fundadora e CEO da VMware e após ser despedida após que a EMC a adquiriu, ela ainda é uma força no Vale do Silício.

Ela não só é considerada como uma das mulheres “mais inteligentes” fundadoras de Tecnologia como também está por trás de grandes sucessos do Vale, tendo investido ou aconselhado empresas como a Cloudera, Cumulus Networks, e Nicira.
E tem estado no conselho de administração do Google desde 2012.

Ultimamente, ela está trabalhando as escondidas em outra startup. Ninguém sabe muito, nem mesmo o seu nome, mas todo mundo está ciente e esperando a empresa a surgir.

 

Nº 02: Lisa Su – AMD – CEO da AMD 

2

A carreira de Su na fabricante de chips AMD tem sido nada menos do que meteórica.

Ela ingressou na AMD em 2012 como vice-presidente sênior e gerente geral, após 13 anos na IBM e pouco mais em outro fabricante de semicondutores, Freescale.
Na AMD foi nomeada COO e, ano passado tornou-se CEO, de repente, substituindo Rory Read, que administrava a empresa desde 2011.

Antes de ser CEO, Su ganhou elogios por seu trabalho como executiva de semicondutores.
Ela tem PhD em engenharia elétrica no MIT.

 

Nº 01: Ginni Rometty – IBM – CEO da IBM 

no-1-ibms-ginni-rometty

A primeira da nossa lista de Engenheiras mais Poderosas do Mundo, Rometty, conquistou sua posição de poder na IBM e em toda indústria de tecnologia conduzindo vendas maciças e as equipes de marketing da IBM.
Mas, ela começou sua carreira na IBM como engenheira de sistemas, alguns anos depois de se formar na Northwestern com uma licenciatura em ciência da computação e engenharia elétrica.
Sua formação em engenharia é uma das razões por ser tão animada sobre a IBM Watson, um computador super inteligente que pode pensar, raciocinar e falar como um ser humano. Ela tem todos os tipos de planos para transformar Watson em uma “vaquinha de dinheiro” para a empresa e ela diz que o Watson vai mudar radicalmente os cuidados de saúde.

Se Rometty consegue remodelar o seu caríssimo gigante de tecnologia em uma potência da próxima geração, ela e seu legado permanecerá poderoso para os próximos anos.

Fontes:

http://awacomercial.com.br/blog/23-das-engenheiras-mais-poderosas-do-mundo/

http://www.mulheresnaengenharia.com/

http://abes-sp.org.br/noticias/19-noticias-abes/6700-mulheres-na-engenharia-conquistas-e-desafios

Tipos de Fundação: Qual a melhor para cada obra?

Incertezas estão presentes em todo o canteiro de obra, até mesmo em construções com alto nível de planejamento. No caso da fundação de uma edificação o cuidado na decisão deve ser ainda maior.

Logo que um construtor inicia o projeto de sua obra, ele se depara com uma das decisões mais impactante do seu empreendimento: definir qual tipo de fundação irá executar para sustentar sua edificação. Ainda mais desafiante que optar por um ou outro método, é lidar com a possível carência de conhecimento técnico do proprietário da obra, em que muitas vezes culmina na total “terceirização” da tomada de decisão ao projetista ou aos fornecedores que executam o serviço. Todavia, a inexistência de discussões sobre o tema pode ocasionar indesejados custos ou até mesmo problemas à edificação.

05-Sapata-Associada-1024x819-768x614

Continuar lendo

Você já conhece a diferença entre estruturas Pré-Moldadas e Pré-Fabricadas?

A construção civil vem se modernizando cada vez mais e, assim, buscando usar materiais que sejam mais baratos, econômicos e práticos. Isso não só reduz os custos com uma obra, mas também o seu tempo de execução. É indiscutível que materiais pré-fabricados e pré-moldados dão essa agilidade para os empreendimentos — por isso, elas já são realidade em outros países, que buscam construir com rapidez e qualidade. Essas estruturas também vêm conquistando o seu lugar no Brasil, aparecendo com destaque em vários empreendimentos.

Pre-Fabricado-Concreto

Continuar lendo

Conferência Internacional, descubra o que será discutido sobre Desempenho e Dimensionamento de estruturas

O Instituto Wessex organiza, entre 11 e 13 de julho, em Ljubljana, Eslovénia, mais uma edição da Conferência Internacional sobre Elevado Desempenho a Otimização do Dimensionamento de Estruturas e Materiais – PSM/OPTI 2018, dirigida a engenheiros civis e engenheiros de estruturas.

1

Continuar lendo

Conheça a dessalinização a partir do uso do grafeno

A escassez da água é uma preocupação real e não é algo distante, e sim para um futuro próximo. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU) mais de 2,7 bilhões de pessoas devem sofrer com a falta de água em 2025. A Comissão Econômica da ONU pede um esforço principalmente dos países desenvolvidos para a proteção dos recursos hídricos. E a partir de pesquisas, que são desenvolvidas há mais de uma década, uma alternativa para combater a escassez é a dessalinização da água dos oceanos. O objetivo é transformar a água salgada dos oceanos em água potável, através dos filtros com grafeno, tornando-as próprias para o consumo.

escassez-de-agua-blog-da-engenharia.jpg

Continuar lendo

Toners de impressora são usados na pavimentação de ruas na Austrália

O que você faz com um toner de impressora vazio? Se a primeira coisa que você pensou foi “coloco no lixo”, volte duas casas e vamos refletir sobre uma palavrinha que parece mais do mesmo, mas que nunca sai de moda: sustentabilidade. Um exemplo de ação de sustentabilidade é a Austrália, onde os toners de impressora são usados na pavimentação de ruas. É, também, uma prova de que estamos mudando a forma de descartar nossos resíduos.

toner-impressora-asfalto-blog-da-engenharia-2.jpg

Continuar lendo

Como realmente se encontra o Brasil no que tange o Planejamento de Sistema de Transportes

No brasil, a malha rodoviária é utilizada para o escoamento de 75% da produção no país, seguida da marítima (9,2%), aérea (5,8%), ferroviária (5,4%), cabotagem (3%) e hidroviária (0,7%), de acordo com a pesquisa Custos Logísticos no Brasil, da Fundação Dom Cabral.

É por isso que uma greve, como a de caminhoneiros, pode realmente parar o país e provocar uma enorme crise de abastecimento.

image

Rodovias primeiro

Mas por que, afinal, o Brasil depende tanto do transporte rodoviário de carga e passageiros?

Para Paulo Resende, coordenador do núcleo de Logística e Infraestrutura da Fundação Dom Cabral, os governantes brasileiros nunca priorizaram adotar outros tipos de sistema de transporte porque isso não tem impacto eleitoral. Essa seria uma das razões, por exemplo, para que o projeto da ferrovia Norte-Sul, que cruzaria o país, nunca tenha saído do papel. “Já viu alguém inaugurar ferrovia rapidamente pra ganhar eleição?”, diz ele à BBC Brasil. “No Brasil, acontece o chamado fator subjetivo, que tem a ver com modelo de gestão de negócios. Os políticos, os burocratas pensam ‘Eu tenho que deixar a marca do meu governo, tenho que fazer alguma coisa nova’. Aí todo mundo que entra [num governo], abandona projetos anteriores e cria um novo, que acha que é melhor. O Brasil é pais cuja estratégia é substituir o velho pelo novo, com completo abandono do velho. Você cria uma descontinuidade de projetos. Há uma questão cultural de trabalhar com curto prazo porque é compatível com a agenda eleitoral.”

O consultor de trânsito Sergio Ejzenberg, mestre em transportes pela Universidade de São Paulo, diz que o Brasil chegou a esse modelo de dependência quase total de rodovias em função de décadas de decisões “desastrosas” e que não como mudar esse quadro no curto prazo.

“Precisamos de menos ingerência política nas decisões técnicas que envolvem a logística de transportes. O Brasil tem dimensão continental e produz quantidades de commodities, tanto agrícolas quanto minerais, que precisam ser transportadas por meios razoáveis e racionais, não por apenas caminhões. É inacreditável que para levarmos soja até o porto de Santos, essa mercadoria precise ser escoada antes por rodovias”, diz.

Descompasso

O professor Rezende, da Fundação Dom Cabral, afirma que o governo federal não entende a matriz de transportes no Brasil. “A participação do sistema modal rodoviário é de mais de 75% no país, mas o governo trabalha com uma matriz de 58% cuja logística não representa a realidade. E aí ele perde a noção da rede brasileira de abastecimento por caminhões. O governo não tem noção”, fala.

Segundo o especialista, as autoridades cometem um arro ao atribuírem a greve apenas ao elemento caminhoneiro.

“A indústria passou por uma transformação e as políticas brasileiras não acompanharam a transformação. A cadeia de suprimentos, a supply chain, não trabalha mais com grandes estoques, é quase que na hora em todos os setores. Quando você tem uma logística desse tipo, o papel do estoque é substituído pelo do transporte. Não tem estoque mais pra amortecer a demanda”, diz.

Mais produtividade

Pensadas as políticas de investimento para o transporte e postas em prática, a realidade do transporte no Ceará e no restante do País poderia ser outra. A mudança de cenário passaria principalmente, com aumento da produtividade e da agilidade dos mecanismos de logística.

“Não necessariamente nós temos de copiar de outros países porque cada um tem uma realidade. Se você fizer com a participação de todos os interessados, pode ser que funcione. Você tem correções de rumo, como o término das obras, por exemplo. É urgente a questão de terminar o que já foi iniciado”, diz o professor do Departamento de Engenharia de Transportes da Universidade Federal do Ceará (UFC), Mário Angelo Azevedo.

Planejamento

Outro ponto abordado por Azevedo é a identificação de necessidades. “Você vai achar o melhor modo para transportar. A solução rodoviária está mais na mão. Você tem que planejar e procurar com que não aconteçam os gargalos. É preciso também distribuir o desenvolvimento entre estados e as cidades. É um planejamento de investimento. Não adianta ter o recurso e não saber como aplicá-lo.”

De acordo com o professor da UFC, a multimodalidade não descarta o transporte rodoviário, mas oferece outras possibilidades para o seu uso. “Mesmo que você transportasse por trem ou navio, o rodoviário faz porta a porta. Você pode ter até sistema de distribuição na linha ferroviária, mas sempre vai precisar do rodoviário. O que a gente precisa trabalhar no Brasil são as grandes distâncias e com um prazo muito longo”, acrescenta.

Fontes:

https://g1.globo.com/economia/noticia/por-que-o-brasil-depende-tanto-do-transporte-rodoviario.ghtml

http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/infraestrutura-de-transporte-requer-investimento-de-ate-30-anos-1.1948474

Situação do esgoto no Brasil: como ela representa uma ameaça à qualidade da água

Desde pequeno, o brasileiro ouve que o seu país possui uma imensa quantidade de água doce. Esse é um dos elementos que justifica o fato de que a consciência em relação à economia de água é mínima. Além do consumo elevado, o Brasil também possui problemas como uma perda de água muito grande no abastecimento, falta de saneamento, problemas no esgoto, desmatamento e alto consumo e poluição provenientes da atividade agrícola.

situacao-esgoto-Brasil-blog-da-engenharia-1.jpg

Continuar lendo